A experiência de ouvir histórias de aborto

Main Posts Background Image

Main Posts Background Image

05 junho 2017

A experiência de ouvir histórias de aborto

Por Marcela Pissolato


Ilustração: Rafael Gomes


Quando pensamos em ter uma reportagem sobre aborto provocado na revista, eu já imaginei que seria complicado, mas sempre foi uma temática que me chamou a atenção e, dessa forma, resolvi assumir a matéria e me debruçar no assunto. Primeiro pensei que seria muito difícil encontrar mulheres para relatarem suas experiências. Não porque elas seriam poucas (já que não são), mas por ser um assunto extremamente delicado, íntimo e que as envolve juridicamente. O que aconteceu, porém, foi exatamente o contrário. Quase que em um “piscar de olhos”, três moças se dispuseram a falar. Cada uma com sua história e os motivos que as levaram ao ato.

O que mais me passava pela cabeça durante as entrevistas era o porquê de elas estarem conversando sobre isso com uma pessoa até então desconhecida (no caso, eu). Talvez estivessem precisando desabafar com alguém que quisesse ouvir suas histórias, sem julgamentos e pré-conceitos. Uma situação que me deixou bastante assustada foi a de que apenas uma das mulheres procurou um hospital depois de realizar o aborto. As outras duas não quiseram por vergonha e medo.

E EU FIQUEI PENSANDO... E SE TIVESSE SIDO DIFERENTE?


E se elas não estivessem mais aqui para contar suas histórias? Afinal, muitas mulheres morrem todos os dias por complicações do aborto induzido e acabamos não sabendo quantas são, quem são e os motivos que as levaram a abortar.

Morrer é um medo que todas tiveram, mas, mesmo assim, não deixaram de fazer o procedimento. O que me faz refletir sobre um argumento que muitas pessoas que são contra o aborto utilizam: será mesmo que o número de abortos iria aumentar se a prática fosse descriminalizada? Nós sabemos o número exato de abortos feitos atualmente no país para poder fazer alguma comparação?

Ter contato com histórias reais só confirmou ainda mais a minha opinião sobre o assunto. Para mim, não se pode fechar os olhos para essa situação e continuar criminalizando quem escolhe abortar. Quem não apoia ou não quer fazer: não faça! Ninguém é obrigado a isso, mas quem quer, irá fazer mesmo sendo ilegal. E isso só faz com que mais e mais mulheres morram todos os dias ou tenham graves consequências pelo procedimento clandestino. É preciso refletir mais sobre o assunto e tratá-lo como um problema de saúde pública,  e não ficar discutindo entre os que são “pró-vida” e os “pró-escolha”, já que, enquanto isso, a prática continua sendo feita na ilegalidade, de norte a sul do país.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Desculpe, algo deu errado